15
jul

YouTube passa a informar a receita gerada a cada mil visualizações

YouTube lançou uma nova métrica de monetização que vai informar aos criadores de conteúdo quanto eles conseguem gerar de receita por cada grupo de mil visualizações. Chamada de RPM, revenue per mille (receita por mil, em português), a novidade poderá ajudar os criadores a entender quais tipos de conteúdo são mais lucrativos na plataforma.

A RPM não substitui a atual métrica CPM. Elas vão coexistir, posicionadas lado a lado, no painel de análise da conta do criador. Enquanto a CPM informa sobre o custo que os anunciantes pagam por cada grupo de mil visualizações de anúncios, funcionando como um dado extra, a RPM já nasce como um dado mais indispensável, pois informa a receita que o criador consegue gerar para ele mesmo, a cada mil visualizações.

Como a RPM é calculada

Para calcular a RPM, o YouTube considera toda a receita captada pelo Google Analytics, como anúncios inseridos no Google, o YouTube Premium, o sistema de membros do canal, os super chats e os super stickers. Depois, ele divide tudo isso pelo total de visualizações no período, multiplica por mil e subtrai a quota de receita que fica na plataforma, que é de 45%.

As diferenças básicas entre a CPM e a RPM, é que a CPM se baseia nas visualizações de anúncios e não faz nenhum corte no cálculo. Já a RPM se baseia nas visualizações de vídeos e subtrai a parcela do YouTube, deixando somente o que será repassado ao criador.

Possibilidade para novas estratégias

É importante ressaltar que a nova métrica não impacta na geração de receita. A não ser, é claro, que o criador utilize seus dados para criar novas estratégias de conteúdo, baseando-se no que for considerado mais lucrativo.